fbpx

Para muita gente, são esses os sentimentos despertados pelas baratas, insetos que, embora pequenos e aparentemente inofensivos, têm a capacidade de aterrorizar principalmente as mulheres. Nove entre dez pessoas do sexo feminino simplesmente não suportam nem olhar para esses bichos. Mas, os problemas causados pelas baratas vão muito além das reações que elas provocam nas pessoas.

Embora não ‘mordam’, como muita gente supõe, elas são perigosas à saúde, pois carregam microrganismos patogênicos na cutícula, asas, antenas, exoesqueleto e pernas, ou seja, praticamente em todo o corpo. Como transitam por áreas muito sujas como lixo e esgoto, as baratas carregam bactérias – entre as quais, a Salmonella -, além de fungos, vírus e vermes, todos capazes de causar diarreia e desidratação aos humanos. A contaminação acontece quando esses insetos passam sobre os alimentos e descarregam os microorganismos. Quando consumidos, os alimentos contaminados podem fazer mal à saúde

Além dos incômodos digestivos e intestinais, as baratas ainda podem causar alergias, como rinites e crises de asma, pois pedaços minúsculos do corpo podem se misturar à poeira e serem inalados por pessoas sensíveis.

Verão e proliferação

Para a maioria das pessoas a estação mais quente do ano é sinônimo de férias, piscina, praia, diversão e… problemas com as baratas. Isso acontece porque, como todo inseto, elas não produzem calor e precisam de um lugar quente para se abrigar – entre 25° e 28° C – já que dependem exclusivamente da temperatura ambiente. Como no verão encontram altas temperaturas mesmo fora dos seus esconderijos, fica muito mais fácil se deparar com alguns exemplares pela casa. Os dias quentes também favorecem a reprodução das cascudas, já que o calor acelera seu metabolismo.

Esconderijos

O meio urbano é o habitat perfeito para as baratas. Nas edificações elas buscam cantinhos, frestas e cavidades para se proteger e se reproduzir. Tanto é assim que podem ser encontradas em redes pluviais, de esgoto, redes elétricas, quadros e painéis de luz e cabines elétricas ou podem aparecer – para o seu desgosto – até mesmo dentro de gavetas e armários.

Prevenção e combate

A máxima prevenir é melhor que remediar se encaixa perfeitamente quando o assunto é manter bem longe essas indesejáveis visitantes, pois combater uma possível infestação será muito mais difícil.